Plantas de Superfície em Aquários – Parte 1

Plantas em aquário geralmente não estão presentes em quantidade suficiente para desempenhar papel biologicamente relevante.Entretanto as plantas de superfície em aquários podem ser valiosas aliadas do aquarista. Elas atuam de forma bastante significativa na absorção de excessos de matéria orgânica. São extremamente úteis para conter surtos de algas, pois competem com elas pelos mesmos nutrientes. Absorvem diversos elementos tóxicos, como nitritos, nitrogênio, fosfatos, chumbo, cádmio, cromo e outros. Além disso proporcionam áreas de sombreamento e servem de abrigo e esconderijo para alevinos.

Algumas dessas plantas são de tamanho grande, como o aguapé, o que as torna mais adequadas para lagos e grandes tanques. Não falaremos das espécies de grande porte. Vamos tratar aqui das variedades pequenas e pouco exigentes. A grande maioria é apropriada inclusive para aquários low tech.

Este artigo é o primeiro de uma série, já estamos preparando o segundo para publicar na próxima semana.

Lemna sp.

No Brasil é conhecida popularmente como lentilha d’água. Planta de pequeníssimo porte, elevada proliferação e pouquíssimo exigente em termos de iluminação. Cada planta é composta de 2 ou 3 folhas ovais de cor verde intensa com tamanho de até 3 milímetros e uma única raiz. Uma iluminação média já é suficiente para que prolifere-se abundantemente. Pode propagar-se de maneira excessiva, sendo importante sua contenção ou tomará conta da superfície do tanque. Serve de abrigo para alevinos e microfauna, podendo ainda servir como alimento para espécies herbívoras.

plantas de superfície - lemna sp.
lemna sp. – foto: Marcelo Morsbach Dias

Salvinia sp.

Uma das mais conhecidas plantas de superfície, possuindo um grande número de espécies. Bastante prolífica mas de propagação facilmente controlável. O tamanho das folhas varia conforme a espécie, em aquários low tech costuma ser em torno de um centímetro. Cada planta possui várias folhas e um tufo de raízes. O aspecto da planta também varia conforme as condições de iluminação e de fertilização do tanque. Com bastante luz e fertilização as folhas são maiores e de um verde mais pálido, já em um tanque low tech as folhas são menores e de verde mais vivo. Em lagos ao ar livre as folhas chegam a 3 centímetros, com iluminação artificial costuma alcançar metade do tamanho que alcança a sol pleno. É excelente na absorção de resíduos tóxicos para a fauna do aquário.

plantas de superfície - salvinia sp.
salvinia sp. – foto: Marcelo Morsbach Dias

Leia também:
Plantas de Superfície em Aquários – Parte 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *